Capa  
Vida
Fotos  
Desenhos  
Coisas de Ary  
Novidades  
Textos  
Livros  
Música  
   
Busca
 
 
 
   
  Direito autoral também está em cartaz no teatro


Diogo Vilela em "Ary Barroso do princípio ao fim" - no teatro


Ari no prato


Lu Oliveira canta Ary Barroso no Café Pequeno


Festa no Dia do Samba


Pesquisador diz combater "amnésia musical"


Não há música feita no Brasil sem influência de Ary Barroso


Ary de primeira


 
 
anteriores início próximos
  A morte do compositor
Ruy Castro - 12/08/2017 - Folha de S. Paulo

RIO DE JANEIRO - Deu no Ancelmo, no "Globo". Os herdeiros de Ary Barroso movem uma ação contra a gravadora Sony porque, no encarte do CD "Dois Amigos", de Caetano Veloso e Gilberto Gil, a autoria do samba "É Luxo Só", de Ary, é atribuída à cantora Inezita Barroso. Que a Sony, tão ciosa de suas propriedades, cometa tal erro num disco, e logo contra Ary Barroso, é um triste sinal dos tempos. Significa que, mesmo nas empresas que deveriam zelar pelo instituto do direito autoral —sem o qual a música popular deixará de existir—, a figura do compositor está em perigo, engolida pela do intérprete.

É só baixar qualquer música pela internet e verificar se o autor está creditado. Quase nunca está. Em regra, o que se lê debaixo do título é o nome do cantor que irá interpretá-la. É assim, por exemplo, que o primeiro baião de todos os tempos —"Eu vou mostrar pra vocês/ Como se dança o baião/ Oi quem quiser aprender/ É favor prestar atenção...", intitulado justamente "Baião", de 1946— passará à história não como de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, mas só de Luiz Gonzaga, que nem foi o primeiro a gravá-lo.

Para 99% das pessoas, o imortal "Você só dança com ele/ E diz que é sem compromisso/ É bom acabar com isso/ Não sou nenhum pai-João..." é um samba de Chico Buarque, não de Geraldo Pereira.

Na semana passada, ao ouvir no rádio sobre a morte de Luiz Melodia, o motorista do táxi começou a cantarolar "Diz Que Fui Por Aí" —"Se alguém perguntar por mim/ Diz que fui por aí..."— e acrescentou: "Esta era dele, com Seu Jorge". Corrigi-o: "Não. Este samba é do Zé Kéti". Ele teimou. E acrescentei: "Em parceria com Hortêncio Rocha".

A confusão era natural: Luiz Melodia e Seu Jorge gravaram "Diz Que Fui Por Aí", logo, só podia ser deles. O taxista, com pinta de 50 anos, nunca ouvira falar de Zé Kéti.