Bancos da praia
Banhos de mar
O estado do sítio
O espirro
Aviso importante
Embevecimento
Vou todo
Copacabana ensolarada
Os dez maiores sambas, na opini√£o de Ary Barroso
Mais uma vez fui expulso... (s/ título)
Sobre o boato de sua morte
Opini√£o de Ary Barroso sobre Juca Chaves
Promessa a Senhor do Bonfim
Sobre Ivonne, sua esposa
Entrevista so jornalista Walter Prestes
Sobre a profiss√£o de advogado

 
 
última página início próximos
  O estado do s√≠tio
Ary Barroso - 0000-00-00

Assim que o Ambrósio chegou, a primeira pergunta que o João Condé lhe fez foi logo:

- "Então, qual é o estado do sítio?"

O Ambrósio amarrou a cara, porque a coisa pior que lhe podem fazer é perguntar pelo estado do sítio.

- "Leva você sempre a me perguntar por isso. Você bem sabe que, entregue aos meus cuidados, o estado do sítio só pode ser o melhor deste mundo. Você esteve lá há pouco e viu com seus próprios olhos. A piscina, uma beleza! A porcada nem se pode por de pé de tão gorda! As uvas estão dando que faz gosto! A horta mete inveja aos vizinhos! A alface, a acelga, a couve, a salsa e a cebola estão dando que Deus me livre! O galinheiro será inaugurado brevemente e já estão em pleno funcionamento dois casais de patos jovens e robustos! Como é que você me pergunta sempre que me vê, qual é o estado do sítio?!
Neste justo momento, ia passando um guarda, desafeto do Ambr√≥sio. Ao ouvir as √ļltimas palavras "estado do s√≠tio", n√£o conversou. Intimou-o a comparecer ao distrito policial mais pr√≥ximo, apesar dos protestos do Ambr√≥sio e da interven√ß√£o pac√≠fica do Cond√©. At√© que o Ambr√≥sio explicasse que "do" n√£o √© "de"...